Laboratório de práticas rituais

 

goethe-oficina

Fui convidada pelo Instituto Goethe a fazer um lab de práticas rituais e tecnoxamanismo, como resposta ao financiamento que eles deram para minha viagem para Berlim, por ocasião do transmediale. Foi super imersivo, intenso, foram dois dias  1 e 2 de abril de 2014. Fizemos algumas experiências como ruidocracia, processo imersivo, ritual para construir uma possível foto novela. aqui estão algumas fotos:

Para ver mais fotos, aqui:

https://plus.google.com/photos/108094216176169619701/albums/5997721290857330945?authkey=COSP5rqp7-OIGQ

 

goethe1 goethe2 goethe3 goethe4 goethe6

Advertisements

O Outro Canibal – no multitude = sesc pompéia 06/06/2014

Essa mesa foi com Davi Kopenawa, seu filho Darios Kopenawa, Claudia Andujar, Lucio Agra no multitude no Sesc Pompéia, foi muito emocionante estar numa mesa com o Davi, eu fiquei emocionada mesmo, teve uma hora que eu até tive que sair da sala pra conter o choro, porque eu acho que entendo o peso de um guardião da floresta. Ele falou sobre seu livro Falling Sky, que eu estou lendo e é maravilhoso, uma voz que tem que ser mesmo ouvida. Seu filho falou sobre a questão territorial Yanomami, e sobre as lutas que estão sendo travadas na floresta pra protegê-la contra o avanço civilizatório. Claudia mostrou fotos impressionantes sobre o xamanismo yanomami e Davi comentou uma por uma, e por fim eu falei de algo mais tecnoxamânico, tentando aproximar o indio e o pirata, o Davi Kopenawa do Peter Sunde do Piratebay.  Lucio Agra ficou fazendo a intermediação disso tudo. Foi bem bacana,

Aqui está o texto: O ìndio e o pirata – texto multitude

Aqui está o vídeo:

ttp://www.youtube.com/watch?v=jDInxqKv2fE

 

 

 

multitude2

 

multitude3

 

multitude4

 

multitude5

 

multitude7

 

multitude8

 

multitude9

 

multitude'0

Prolegômenos para um possível tecnoxamanismo

(Fiz esse texto para a palestra no Transmediale em Berlim – 02/02/2014). Para ler inteiro acesse aqui: prolegômenos para um possível tecnoxamanismo

PROLEGÔMENOS PARA UM POSSÍVEL TECNOXAMANISMO

Muita gente tem ideia do que tecnoxamanismo significa. Essas ideias são genéricas e apontam para alguma coisa entre ciência e religião, ou tecnologia e êxtase. Eu prefiro apresentar isso como uma questão em processo de construção. Um desafio ao qual todos estamos lançados hoje em dia, e para o qual precisamos encontrar possibilidades.

Esse texto abarca um pequeno número de conceitos ecológicos, antropológicos e filosóficos, que vou tentar elencar de forma clara, apesar disso tudo estar imerso em um nevoeiro. Trago como referência pensadores como Viveiros de Castro, Bruno Latour, Fabián Ludueña, entre outros. É importante salientar que o conceito é aberto, que tem muita gente pensando isso em vários outros sentidos, e que esse texto é somente um esforço de trazer alguns subsídios para colaborar nesse grande entrave entre duas forças aparentemente antagônicas.

Separo o texto em 6 partes:

1- Tragédia Guarani Kaiowa

2- Aldeia Maracanã

3- Terráqueos Contra Humanos

4- Xawara e a queda do Céu

5- Perspectivismo e Inversão Ontológica

6- Do Xamanismo Transversal, Sujo ou dos Ruídos

7- Tecnoxamanismo

 

Texto sobre tecnomagia de Pedro Soler

Extracto de un texto de Pedro Soler encargado para publicación (en español) en el libro de la exposición “Cinco variaciones de circunstancias fónicas y una pausa” de Tania Candiani, Centro de Arte Alameda, Mexico DF. Febrero 2013 .http://cincovariaciones.com/

Extract of a text commisioned for publication in the book of the exposición “Cinco variaciones de circunstancias fónicas y una pausa”
de Tania Candiani, Centro de Arte Alameda, Mexico DF. Febrero 2013 . http://cincovariaciones.com/
Technology is the concretisation of the visions of shamans and magicians. Everything we use today was accomplished, imagined or dreamed, in ancient times. Perhaps it is only the future that has resisted, so far, the capacities of technology – although the capacity of super computers to model complex phenomena brings us closer to that most archetypal of shamanic capacities.

We can fly like eagles, see like out of body experience (satelites, helicopter cams), see like a lynx (crittercams), speak at a distance, move objects from afar, access the combined knowledge of generations, freeze time and rewind (photo, video). The ability to see at a distance is indicated in the Popol Vuh , the epic of the Mayan civilisation, as belonging to the first humans :

“Perfect was their sight, and perfect was their knowledge of everything beneath the sky. If they gazed about them, looking intently, they beheld that which was in the sky and that which was upon the earth. Instantly they were able to behold everything. They did not have to walk to see all that existed beneath the sky. They merely saw it from wherever they were. Thus their knowledge became full. Their vision passed beyond the trees and the rocks, beyond the lakes and the seas, beyond the mountains and the valleys.” (1)

Thelma Moss who worked with the Australian Aborigenes in the 70s tells us that they used telepathy as we use the telephone and, as she writes, “as mysterious is the telephone for them as telepathy for us”. She says that the hunters returning from their hunt advise those who have stayed behind to start preparing for the feast. An article in the Melbourne Argus from 1931 reports an Aborigene describing the method for telepathic communication. This shouldnt come as a surprise to most of us, we habitually feel the presence of people or, mundanely, we are thinking of someone when they call.

“When an aborigine wishes to appeal for help or to send any other message to another member of his, tribe he first attracts attention by a smoke signal. said Mr. Uninpon ‘ The man who sees the smoke signal then strives to do a very difficult thing-to clear his mind of every thought and so to become fully receptive to messages sent to him. The man who made the smoke signal then concentrates his thoughts on the desired message and soon it is received and re-transmitted to the rest or the tribe. At night when a smoke signal would not be seen the aboriginal waits until the person he wants to communicate with will most likely have lost consciousness in sleep. His subconscious mind is then fully awake and it will receive the message.” (2)

Textos da Caixa Tecnoxamânica/Bunker/Abrigo/Catexia/Caixa do fim do mundo

Apocalipse da Caixa Preta

Texto de Fabiane Borges, com participação de Glerm Soares e Lucida Sans

Construímos a performance “Apocalipse da Caixa Preta” na Bicicletaria Cultural e Jardim dos Volts1 em Curitiba (31/08/2012). Fizemos a caixa pensando na casa de um morador de rua, chamamos um pichador (Cupim) que trabalha na Bicicletaria para nos dar uma mini-oficina de pichação, ele nos ajudou a criar estilos gráficos e ainda, interpretar palavras e símbolos utilizados pelos pichadores. A pichação trazia à tona a linguagem de rua. A caixa continha textos do livro Domínios do Demasiado, do Tecnomagia e do Yupana Kernel, que tratam de estados de miséria, das zonas de risco, dos satélites, de tecnologia e magia2.

Para ler o texto completo  em PDF clique aqui: caixa tecnoxamânica

Imagens da nossa ação da Caixa Tecnoxamânica/Bunker/Fim do mundo feita em Curitiba 01/09/2012 –

Aqui dá para ver algumas fotos – Se quer Ver mais Fotos click aqui: https://picasaweb.google.com/108094216176169619701/CaixaTecnoxamanica

Aqui o Vídeo da Performance da Caixa Preta –  Video de Fernando Ribeiro –

Aqui os áudios de textos que entraram na caixa – feitos por Simone Bitencourt  http://soundcloud.com/tecnocaixamanica

Textos utilizados dentro da caixa preta – da caixa tecnoxamânica, feita junto com o Jardim de Volts (http://jardins.devolts.org/) na Bicicletaria Cultural – (http://bicicletariacultural.wordpress.com/)      ******  caixa-textos ******