Esquizotrans no Ocupa Minc -Canecão- Fora Temer – Rio de Janeiro – 25/08/2016

porno-clown-amor-com-a-cidade-2012

Dia 25 de agosto as 19:30 Esquizotrans apresenta uns metadados de textos, livros, vídeos, performances que influenciaram a produção do Breviário de Pornografia Esquizotrans – livro porno-esquizo-trans. Depois de 6 anos a cena no Brasil vem ganhando força, e surgem novas influências ligadas ao transfeminismo, pornoklastia, technoporn, pornoclown, ciborguezia, sem falar nas novas modalidades das amigas das Europa como neurosex, bodynoise, devenir bruja, trans_plant, transnoise, Akelarre Cyborg, etc.

A ideia é pensar nesses novos imaginários eróticos-sexuais e no que isso nos ajuda no cotidiano das nossas práticas e nossas modos de pensar/criar amor e desejo.

Materiais: Breviário de Pornografia Esquizotrans, Texto Junk, Teoria King Kong, Pos porn era esto, Pornoterrorismo, Pornotopia, Amor com a Cidade, Pornotopedia, etc. Um salve para Paul Beatriz Preciado, Virginia Despentes, Maria Llopes, Diana torres, Juliana Dorneles, Quimera Rosa, Post-Op, Sue Nhamandu, Rita Wu, Fabiana Faleiros (Lady Incentivo), Coiote, Teta Lírica, e todas outras.

O barato é louco, o processo é lento!!

Fabiane M. Borges é ativista/pesquisadora em arte, tecnologia e subjetividade. Faz parte do Esquizotrans – (https://esquizotrans.wordpress.com/ ) escreveu o livro Breviário de Pornografia Esquizotrans (com Hilan Bensusan – Ed. Ex.Libris – https://catahistorias.files.wordpress.com/2011/01/miolo-brevic3a1rio-prova-de-autor.pdf) e Domínios do Demasiado (Ed, Hucitec – https://catahistorias.files.wordpress.com/2011/01/dominios-do-demasiado_ultima-prova.pdf )- Uma das articuladoras da Rede tecnoxamanismo – Open Source Observatories e Take back the space – Site: https://catahistorias.wordpress.com – email: catadores@gmail.com

Estamos Fodidos -Festival de Cinema do Fim do Mundo

Programação Completa 2016

 Estamos Fudidos, organizado por Maira Begalli e Hernani Dimantas
Fabiane M. Borges e Leandro Cagiano debatem o filme Take Shelter (O Abrigo) 2011
Data: 01 de agosto de 2016
Local: Coletivo Digital – R. Cônego Eugênio Leite, 1117 – Pinheiros
Horario: 18hs
Debate com: Maira Begalli e Hernani Dimantas
Filme: The Survivalist, 2015
Sinopse: Em uma época pós-apocalíptica, a auto-preservação tornou-se necessária. A  única forma de obter comida é cultivar seus alimentos. Um sobrevivente  vive afastado em uma fazendo onde tem sua plantação. Sozinho há muito  tempo, seu isolamento acaba quando Kathryn (Olwen Fouere) e sua filha  adolescente, Milja (Mia Goth), chegam ao local famintas. Relutante, ele  acaba aceitando ajudá-las após elas oferecerem uma noite com Milja. O  trato torna-se permanente e, enquanto o sobrevivente se apaixona pela  garota, a verdadeira intenção de Kathryn é tomar o poder sobre a  fazenda. Até o momento em que eles são atacados por estrangeiros.
Data: 06 de agosto
Local: Vilynda – R. Simão Álvares, 784. Vila Madalena.
Horario:  18h
Debate com: Paula Kim e cineasta paulistana, graduada em Audiovisual pela USP, possui MFA em direção de filmes pela K-Arts. Dirigiu os curtas “Sexo Explícito 1&2”, “ChuMar” e “26, OmTchinA”. Criou o projeto “Sobre Nossa Visão Distorcida”, nascido do material de pesquisa para o projeto de longa “Diário de Viagem”, única obra brasileira até hoje a ter participado do Atelier do Festival de Cannes.
Filme: Melancholia
Sinopse: Um planeta chamado Melancolia está prestes a colidir com a Terra, o que  resultaria em sua destruição por completo. Neste contexto Justine  (Kirsten Dunst) está prestes a se casar com Michael (Alexander  Skarsgard). Ela recebe a ajuda de sua irmã,  Claire (Charlotte Gainsbourg), que juntamente com seu marido John  (Kiefer Sutherland) realiza uma festa suntuosa para a comemoração.
———
Data: 9 de agosto
Local: Vilynda – R. Simão Álvares, 784. Vila Madalena.
Horario: 18h30
Debate com: Leo Mello – docente da UFABC, pesquisa a interface população-ambiente, tendo como principais interesses de  pesquisa as questões relacionadas com o complexo  população-ambiente-consumo e as dimensões humanas das mudanças  ambientais globais, assim como com a participação pública nos processos  de tomada de decisão.
Filme: Expresso do Amanha, 2015.
Sinopse: Quando um experimento para impedir o aquecimento global falha, uma nova  era do gelo toma conta do planeta Terra. Os únicos sobreviventes estão a  bordo de uma imensa máquina chamada Snowpiercer. Lá, os mais pobres  vivem em condições terríveis, enquanto a  classe rica é repleta de pessoas que se comportam como reis. Até o dia  em que um dos miseráveis resolve mudar o status quo, descobrindo todos  os segredos deste intrincado maquinário.
———
Data: 13 de agosto
Local: Vilynda
Horario: 18h
Debate com debate: Marcus Teshainer – psicológo, membro do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da Universidade de São Paulo (LATESFIP/USP), e participante da Escola de Psicanálise do Forum do Campo Lacaniano de São Paulo.
Filme: Procura-se um amigo para o Fim do Mundo, 2011
Sinopse: Um meteoro está em rota de colisão com a Terra, e a última missão humana  enviada para desviá-lo falha em sua tentativa. Não há mais saída: em  três semanas, o mundo vai acabar. Algumas pessoas aproveitam os últimos  dias de vida para beberem e fazerem sexo sem compromisso; outras se  rebelam pelas ruas e começam a destruir os carros e os comércios.  Além delas, existe Dodge (Steve Carell), corretor solitário que acaba  de ser abandonado pela esposa, e Penny (Keira Knightley), sua vizinha  triste, que nunca teve um namoro satisfatório. Juntos, eles decidem  percorrer o país para reencontrarem suas famílias e seus amores de  juventude antes que seja tarde demais.
————-
Data: 16 de agosto
Local: Preto Cafe – Largo do Arouche 99, lj 18.
Horario: 17-19hs
Debate com: Leandro Cagiano – Artista visual e fotografo trabalha em projetos envolvendo conservação da natureza.Trabalhou em estúdios, agências de notícias e mercado corporativo. Atualmente desenvolve o Projeto Terra Consumida.
e
Fabiane Borges – artista, psicóloga e ensaísta. Fez doutorado na Puc/SP cuja tese dedicou a Cultura Espacial – Utopias humanas intra e extra-terrenas. É autora de dois livros: Domínios do Demasiado (Hucitec 2010) e Breviário de Pornografia Esquizotrans (Ex. Libris 2010).
Filme: O Abrigo, 2011.
Sinopse: O abrigo (The divide), Xavier Gens (2011 Após a um ataque de uma bomba  nuclear na cidade de NY, em algum ponto da cidade há noves sobreviventes  que conseguiram escapar da iminente explosão se protegendo em um porão  de um prédio onde todos eram moradores do local.  

——-

Data: 19 de agosto
Local: Coletivo Digital – R. Cônego Eugênio Leite, 1117 – Pinheiros
Horario: 19hs
Debate com: Mariana Perroni – Medica Clinica e intensivista e blogueira da Trip para Mulheres (TPM).
Filme: A Gripe, 2013
Sinopse: Bundang, no subúrbio de Seul, está passando por uma epidemia devastadora  . Byung-woo (Erik Scott Kimerer) morre em decorrência de um vírus  desconhecido. No início, o vírus não recebe importânica, e a população  não se previne. Em pouco tempo, centenas de  moradores da região são atingidos pelo vírus. O caos se instaura. O  governo do país pede isolamento da área. Enquanto isso, um especialista  procura o sangue que será capaz de desenvolver a vacina contra o vírus.

dos sem teto aos sem céu em Beijing

Esse texto é um panorama à jato do meu percurso nesses últimos 15 anos. Apesar de não representar a totalidade do meu pensamento/produção, pelo menos ele indica as 3 grandes chaves de interesse – 1- Sem Teto, 2-Tecnoxamanismo, 3-Cultura espacial)

Aqui está o texto que apresentei no Lançamento do Cadernos de Subjetividade e em Pequim, china. Para ler a apresentação na íntegra – dos sem teto aos sem céu

1- DOMÍNIOS DO DEMASIADO  (Sem Teto)

(Para ler o livro Domínios do Demasiado, aqui: https://catahistorias.files.wordpress.com/2011/01/dominios-do-demasiado_ultima-prova.pdf )

(Primeira sessão, um panorama das intervenções urbanas, arte urbana, arte política – organizada por Camila Mello e fabi Borges (2003-2010) –  aqui: porão

1- Morador de rua
2- Sem teto
3- Cassandra – Ritualização- Performance – Renato Cohen
3- Proposta: ACMSTC e Integração sem Posse
Mostrar (imagens do arquivo)
(PORÃO – organizado por Fabi Borges e Camila Melo)

2- TECNOXAMANISMO (Magia)

(Site do tecnoxamanismo – http://tecnoxamanismo.wordpress.com )

1- Permacultura e agrofloresta,
2- Rituais, pajelância e ervas medicinais,
3- Hacklab – do it yourself
(tecnologia do xamanismo – modo de produção de conhecimento)
(xamanismo da ciência) – cooptação da ontologia depois da igreja católica
(outro modo de produção de ciência – relação interespécie com dispositivos eletrônicos – falar com
plantas, construir relações – busca de compreensão de outras linguagens – escuta), rituais.
4 Proposta: Festival Internacional de Tecnoxamanismo (performativo, imersivo, uso de plantas,
terreiro tecnológico).

3- OCUPAÇÃO ESPACIAL (CULTURA ESPACIAL) (Cosmos)

(Minha tese sobre o assunto: Em busca da Cultura Espacial https://catahistorias.files.wordpress.com/2013/04/na-busca-da-cultura-espacial-web.pdf

1- Entrada de vez pro mundo hacker – ocupação, linguagem de programação, luta contra a
sociedade de controle
2- Possibilidade de ocupação espacial do it yourself –
3- Arco de utopias espaciais, astrofuturismo
4- Fazer a própria estação espacial internacional, criar foguetes e naves espaciais para ocupar outros planetas e outras órbitas.
5- Comunicação e criptografia
6- Cosmovisão em tempos de antropoceno – tecnoxamanismo espacial
Proposta: Fortalecer a rede de ocupadores espaciais, para isso precisa de investimento na área
7- ritualização do processo

 

In Beijin no Queerhackerspace

WP_20160503_003

Acabei ficando num hackerspace queer super feminista aqui em Pequim. Uma mulherada jovem que se juntou, alugou uma casinha no centro de Pequim e está inventando uma forma de vida bem diferente por aqui. A casa funciona sempre, é um colab, hackerspace, queer life e ainda com oficinas das mais diferentes que acontecem todos os dias. Essa por exemplo das fotos abaixo mostra um workshop de comunicação não violenta dada por Julia Feste. Exercícios, conversas, intimidade, safe place e tudo isso. É um lugar importante para se conhecer, para quem está ligado a cultura queer e cultura diy.

Ao perguntar para uma das meninas que toca a casa, JD que é de Singapura,  qual era a diferença dos hackerspaces normais de Pequim para essa casa, ela disse que a maioria é feita por homens, que não dão espaço para quem não sabe nada mas quer começar a saber, que a maioria é bem fechada, e muito comprometida com dinheiro. Ao contrário delas que mantém a casa aberta e cuja a prioridade é o cuidado, a aprendizagem no ritmo de cada um e a convivência.

Elas começaram a pouco tempo, ainda não tem site, mas em breve vão ter, daí coloco aqui.

Conhecer Pequim com elas tem sido uma experiência bem internacional e ao mesmo tempo bem interna a Pequim… Algumas delas são chinesas, outras estrangeiras (da Asia)  Tailândia, Singapura, Japão, e outras  de outros  continentes e países, mas a casa é tocada na parceria entre galera da China e do Japão.

Acabei de sair da oficina da comunicação não violenta, agora é aplicar. será que dá?

#china feminista!!

Futuros sequestrados x o Anti-sequestro dos sonhos

Compartilhando o processo de trabalho feito durante a
“Imersão no Capacete”, que foi do dia 24 de maio a 02 de junho/2016)

Quarta feira – 01/06/2016 – 19:30 – Escola Capacete – Beijamim Constant 131 – Glória

Como criar tratamentos clínicos e estéticos atuais que ajudem a enfrentar a lama tóxica, o imaginário carbônico, as enchentes e as secas do clima e do pensamento?

Pensamos na engenharia do futuro: a geo-engenharia e a engenharia do corpo. No devir criador para fugir do modelo fracassado de civilização e sua rota apocalíptica. Na urgência da metareciclagem no campo das ficções. E na produção de cosmogonias livres.

Quizemos criar dispositivos de resistência ao sequestro do futuro, assim como fortalecer o imaginário e os sonhos.

A imersão começou no dia 24 de maio. Teve como uma das suas funções potencializar o universo onírico de seus participantes, mixá-lo, tirá-lo de qualquer autoria, devolvê-lo para o campo da experiência, afim torná-lo plataforma de lançamento de um processo coletivo de produção de ficções e imaginários.

Como é impossível finalizar um processo desse tipo, optamos por compartilhá-lo em seu atual estágio, afim de ampliar o campo de experiência dos participantes, ao abri-lo para o público. É uma cerimônia de finalização do curso, mas não do processo, que esperamos que seja continuado.

Para quem não sabe do que se trata, aqui foi a chamada:

Português: http://capacete.org/?p=1950

Inglês: http://capacete.org/?p=1966&lang=en

 

Para poder entrar no Capacete nessa quarta dia 1 é preciso que cada pessoa traga dois sacos de sal grosso.

Organização: Fabiane M. Borges e Leandro Nerefuh

Equipe: Giseli vasconcelos (Produção), Marcelo Marssares (som), Paola Barreto (espectrômetros), Peter Pál Pelbárt (consultoria) e Rafael Frazão (imagens).

Construção do working process (anti-sequestro dos sonhos): Franciele Castilho, Julia Lameiras, Mariana Kaufman, Raisa Inocêncio, Sue Nhamandu, Oliver Bulas, Mariana Marques, Anna Costa E Silva, Luisa Marques, Thelma Vilas Boas, Cecilia Cavalieri, Rodrigo Krul, Patricia Chiavazzoli, Livia Valle, Kadija de Paula, Caetano EhMaacumba, Ian Erickson-Kery, Aurélia Defrance, SoJin Chun, Julia Retz, Camilla Rocha Campos

 

Fotos: Rafael Frazão

 

%d bloggers like this: