Sobre a Exposição da “Santa Pelada”

Sobre a Santa Pelada

Por Fabiane M. Borges

Para baixar em pdf: Sobre a Santa Pelada

santa pelada

O que eu estou fazendo sozinha com um bando de homens do time de futebol? Ao ser perguntada sobre isso por amigas que viram o fôlder da exposição do Santa Pelada, senti que deveria dar algum tipo de dica, ideia, justificativa. Então aqui vai:

Quando vim morar no Rio de Janeiro em 2007, fui parar no Bananeiras acolhida por Leonardo Videla e Beatriz Veneu. Tinha acabado de chegar, não conhecia ninguém, e a única coisa que tinha me trazido era a curiosidade. Dez anos antes tinha estado em Niterói para um encontro de Psicologia, mas nunca no Rio. De modo que depois de uma longa viagem para Amazônia com minha querida amiga indígena e indigenista Verenilde Pereira dos Santos, decidi que não poderia mais viver em São Paulo ou em Brasília, optando então por vir conhecer a cidade maravilhosa.

Logo nos primeiros dias Leonardo Videla me convidou para gravar umas imagens no futebol que eles faziam toda a terça feira de manhã, a “Santa Pelada”, feita só por artistas moradores de Santa Teresa. Fazia meio ano que se encontravam e eu fui conhecê-los. Fiz algumas gravações de vídeo, fui goleira algumas vezes, mas a parceria mesmo aconteceu nas resenhas, que era quando saiam por volta do meio dia para ir tomar cerveja no Bar do Gomes, e se atualizarem sobre os fatos da semana, sobre arte contemporânea, sobre as exposições, sobre a vida dos outros e tudo isso. Os artistas jogadores foram os primeiros amigos que fiz no Rio de Janeiro. E terça feira virou agenda para mim, ir para o jogo de futebol e logo para a resenha. Dali que comecei a me espalhar pela cidade.

Lógico que sempre me perguntei onde estavam as mulheres, pois eu nunca as via. Com algumas exceções de artistas mulheres que às vezes apareciam no jogo ou na resenha, a maioria das vezes eram só homens. Porque?

  • Os artistas de modo geral são muito machistas?
  • A ocupação dos espaços públicos é feita mais por homens porque as mulheres ficam mais nos espaços privados?
  • As mulheres bebem menos? Não gostam de se embriagar à toa?
  • Fica feio para as mulheres ficar bebendo de dia com um bando de homens porque elas vão sofrer assédio, preconceito, serem consideradas vadias?
  • Os homens têm mais capacidade de formar confraria e curtem mais sua própria companhia, jogar e beber numa terça de dia faz parte desse hedonismo masculino?
  • Não há possibilidade de jogo misto porque as mulheres não sabem jogar futebol de modo geral?
  • Enfim, porque as artistas contemporâneas não se ligam nessa tradição das terças feiras, ou pelo menos não montam uma tradição parecida para si? (Eu participaria com certeza)

Essas perguntas sempre foram tema de alguns debates nas resenhas, nunca se chegou a nenhuma conclusão, eu particularmente concordo com todas. As mulheres não têm tanta tradição assim de futebol (aos poucos isso vai mudando), os artistas homens são machistas sim, os homens ocupam mais os espaços públicos e as mulheres mais os privados (ainda), as mulheres de modo geral não bebem tanto quanto os homens, pelo menos publicamente. Basta ir a qualquer cidade grande ou pequena e perceber que as praças, os botecos, os jogos são ocupados majoritariamente por homens. As mulheres que ficam nas esquinas bebendo como os homens são consideradas vadias, vagabundas. “As mulheres da esquina do Gomes”, como ouvi vários homens comentando durante esses anos de Rio de Janeiro. Várias vezes tive essa discussão com Leo por exemplo, reclamando para ele dessas coisas que eu ouvia, desse machismo absurdo e preconceito contra as mulheres do espaço público.

Aqui aproveito para fazer uma homenagem as mulheres dos bares, porque elas são um alívio para todo sempre. Seja no Gomes, seja no Simplesmente, seja nesse vasto mundo. Recém chegada da Amazônia, pude constatar isso nos sete estados que eu tinha passado e nos três países amazônicos que tinha andado: sair para tomar uma no boteco da esquina era ter que se haver com um bando de homens. E isso pode ser muito divertido, mas é preciso sempre estar com o facão na bota, com as defesas afiadas e com a conivência protetiva – os aliados.

O Santa Pelada nunca foi misto, e apesar de alguns dos seus jogadores reclamarem disso, o fato é que nunca aconteceu. Por causa disso tudo: por causa do machismo do mundo. Ainda e de novo. Mas tem-se que abrir espaço. Espaço público para a ocupação feminina. Pois é o machismo que  impede as mulheres de estar na rua. Não a natureza, que não tem culpa nenhuma disso. Naturalizar essa situação não passa de uma invenção de gênero perpetuada por conveniência.

Apesar disso tudo, a amizade que fiz com os artistas jogadores do Santa Pelada sobreviveu durante todos esses 10 anos. Quando voltei a morar no Rio em 2013, pois em 2008 já tinha ido embora, para viver em alguns países da Europa e alguns estados brasileiros, não tive dúvida: Vou voltar a freqüentar o futebol das terças feiras e rever os amigos. E assim foi. Nesse meio tempo o futebol não ficou misto, nem as resenhas foram ocupadas por mulheres. E eu aceitei meu papel de representante feminina do time.

Uma década de Santa Pelada e essa exposição agora conta um pouco dessa história. Com seus sambas, seus enredos, suas camisetas, suas bandeiras, suas resenhas, suas amizades. Eu me pergunto se essa não seria a forma mais saudável de se fazer arte contemporânea? Claro, algo mais misto em relação a gênero, raça e classe, mas não seria o melhor formato?

Explico. Ao invés de um sistema de arte tão hierárquico e fechado, espaços tão disputados, inveja, calunia, plágio, fofoca, sucesso para uns e fracasso para outros, segregação, preconceito, desprezo, assédio de curador, assédio de colecionador, desnível de valor das obras, julgamento, dificuldade de abrir espaço, ser ou não convidado para a bienal, ter ou não o perfil dessa ou daquela galeria. Ao invés de tudo isso, porque não uma boa e clara pelada de rua (ou algo que o valha), onde os parceiros disputam dando risada, saem para beber juntos, montam exposição juntos, se ajudam na criação do conceito, promovem a celebração, respeitam as obras dos colegas, colaboram para que a coisa funcione bem para todo mundo, entre outras coisas?

Antes que me chamem de ingênua, inocente ou utopista, demonstro aqui minha alegria de estar fazendo parte desse time de expositores na Laurinda. A Exposição Santa Pelada é um exemplo de como podemos tratar a tal da Arte Contemporânea com muito mais horizontalidade e companheirismo do que o atual estado de excesso para uns e exceção para outros. Ou de invisibilidade para uns e super faturamento para outros, como lhe convém.

Terminando aqui o textinho, espero que as mestiçagens, as mixagens, as horizontalidades e a simplicidade do que possa ser uma pelada de rua ganhem a Arte Contemporânea.

FUTUROS SEQUESTRADOS X O ANTI-SEQUESTRO DOS SONHOS na casa de Suely Farhi – Rio de Janeiro

sonhos-suely

Curso organizado por in}ventos – suely farhi e Carla Strachmann

Executado por Fabiane M. Borges

Sonhadoras: Balbi, Dinah Cesare, Gabriela Carneiro da Cunha, Suely Farhi, Martha Niklaus, Geni Viegas, Maria Moreira, Lia do Rio.

Para conhecer o processo do curso – aqui:

Fotos:

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=bz0zCmAXUMs

Áudios: https://archive.org/download/vozessonhoscasasuelyfahri

DO CURSO

Davi Kopenawa em seu livro “A Queda do Céu” diz que os brancos (não índios, comprometidos com a modernidade, espírito colonizador) não sabem sonhar, pois só sonham consigo mesmos e com suas mercadorias. Nesse livro ele coloca os sonhos (corpo de fantasma) como uma reserva, como uma floresta, que nativa ou reflorestada ainda concentra uma enorme diversidade de existências, que ainda não foram destruídas inteiramente pela Xawara (a entidade maléfica do metal). Preservar as florestas e os sonhos é então uma ação de resistência contra a devastação da Terra e da ligação profunda entre humano e Terra, que é uma das potências do sonho, quando se sabe sonhar para além de si mesmo, ou seja, sonhar cosmicamente, terraqueamente, sonhar os sonhos do planeta em que vivemos.

Nessa nova idade da Terra – Antropoceno – , quando o biocontrole está em pleno vapor e os humanos se percebem como uma força geológica, plantar e sonhar (reconectar com a Terra) parece ser de uma importância cabal, que nos ajuda a pensar alternativas para esse rolo compressor do desenvolvimento a qualquer custo, e nos ajuda principalmente a reinventar nossos futuros sequestrados pelas promessas de futuro da modernidade. Sendo assim, esse curso é uma pequena pausa para construir ações anti-sequestro do futuro e do sonhar. É um curso experimental fundamentado em práticas e teorias de Arte (invenção) e Clínica (subjetividade).
O curso tem base teórica, prática e técnica e dependendo da organização da turma pode ser repetido e aprofundado.

Das Linguagens:

1- Da Arte de Sonhar: Anotar os sonhos (ainda com uma semana de antecedência do começo do curso), contar os sonhos, trocar de sonhos, processo de ficcionalização, desenvolvimento de escrita coletiva de caráter transnarrativo, desenvolvimento de personagens, ambientes, contextos. Interescrituras, produção cosmogônica, mítica, metafísica, ontologias diversas, tratados, escritas de associação livre baseados nos sonhos de si e dos outros.

2- Linguagens performativas: Uso de técnicas de corpo, improvisação de cena, construção de ações individuais e coletivas a partir de estudos trans-oníricos, construção experimental de linguagem expressiva, ritualização, gestualização, estados de presença, entre outros.

3- Ruidocracia: Uso de técnicas de linguagem sonora, produção de ruído (digital e analógico), vocalização, improvisação narrativa, construção de estados coletivos de escuta. O entendimento do ruido como ruptura da comunicação baseada na inteligibilidade: emissão-redundância-recepção.

4- Clínica: Esquizodrama, dinâmicas de grupo, técnicas de escuta, associação livre, problematização de questões levantadas pelo grupo, auto-conhecimento, o intelecto e o inconsciente coletivo, técnicas de concentração, produção imaginária, fabulação, aprofundamento de linguagens expressivas, relação com o futuro.

5- Communitas: Convivência coletiva, discussões, falação, rodas de conversa, tarefas práticas, comunicação intensiva, partilhamento de processos cotidianos (alimentação, lixo, etc), resolução de problemas, insights, ideias, construção de comunicação onírica, etc.

6- Da Arte de Plantar: Plantação de uma árvore (ou mais) em um espaço urbano próximo ao curso.

Do Material Teórico:

Serão trabalhados conceitos como hiperstição, aceleracionismo, pós-humanismo, transhumanismo, ciborguezia, filosoficção, filo-ficção, transnarrativa, interescritura, tecnomagia, metafísica da lata de lixo de Estamira, antropoceno, animismo, subjetividade da matéria, tecnologias do it yourself, multidões queer, imaginação e ficcionalização, astrofuturismo, tecnoprimitivismo de Oswald de Andrade, etc.

Bibliografia sugerida:

A Arte do Sonhar”, Carlos Castañeda
·“A Queda do Céu – Palavras de um Xamã Yanomami” – Davi Kopenawa e Bruce Albert
·“Antes o Mundo não existia” Mitologia dos antigos Desana-Kehíripõrã” – Umusi Pãrõkumu (Firmiano Arantes Lana) e Tõrãmú Kehíri (Luiz Gomes Lana). Ed. ed. — São João Batista do Rio Tiquié : UNIRT ; São Gabriel da Cachoeira : FOIRN, 1995. (Coleção Narradores Indígenas do Rio Negro).
·“Devires Totêmicos – Cosmopolíticas dos Sonhos” – Barbara Glowczewski
·“Comunidade dos Espectros – I. Antropotecnia” – Fabián Ludueña Romandini
·“Três Ecologias” – Félix Guattari – Ed. Papiros – 1990
·“Metafísicas Canibais” – Eduardo Viveiros de Castro – Ed. Cosac Naify – 2015
·“Há Mundo Por Vir?: Ensaio Sobre os Medos e os Fins” – Debora Danowski e Eduardo Viveiros de Castro – Ed. Instituto Sócio-Ambiental – 2015
·Tecnoxamanismo – Texto “Ancestrofuturismo” (online) Org. Fabiane M. Borges. Ed. Invisíveis Produções. São Paulo, 2016

R$300,0 pelo fim de semana incluindo o Almoço com cozinha compartilhada.

Suely Farhi – In}ventos
R. Tavares Bastos 21 casa 16 Catete
97845086 21479725

HIJACKED FUTURES VS. ANTI-HIJACK OF DREAMS IN THE SWISS ALPS

This course was given in the Swiss Alps with students of the Zurich University of the Arts Zürcher Hochschule der Künste. It was two days long, on top of the montain. All participants slept toguether in a montain hostel. It was very cold, with snow, and here is some archives of the process.

Fotos – https://www.flickr.com/photos/22405820@N08/albums/72157673706597872

Áudio – https://archive.org/details/hijacked-futures-vs-anti-hijack-of-dreams

Vídeo:

ANCESTERFUTURISM SEMINAL THOUGHTS ABOUT TECHNOSHAMANISM

T A L K 
 
FABIANE M. BORGES ◆ 5 OCTOBER 2016 ◆ 6 PM
 
ANCESTERFUTURISM
SEMINAL THOUGHTS ABOUT TECHNOSHAMANISM
 “Where can we locate our ‚ancestrality’? Merely in the past, or also in our future? What are the ‚hyperstitions’ related to technoshamanism? What if dreams could be thought of as an untouched interstitial space? Could dreams help us to escape the Anthropocene? Hands and dreams on the Earth. What can ancient communities teach us about survival technologies?“ 
 
These are some questions that will guide a conversation around ancesterfuturism and technoshamanism. 
 
 FABIANE M. BORGES is a Brazilian artist, clinical psychologist and essayist based in Rio de Janeiro. She’s one of the articulators of the technoshamanism network and is currently co-organizing the II International Festival of Technoshamanism in Brazil. Her research is about Space-art, art, technology, shamanism, performance and subjectivity. Borges’ work can be denoted as an ‚immersive process‘ or ‚frontier experience‘, since her aim is to provoke deep bodily and perceptional experiences. She authored two books Domínios do Demasiado (Hucitec, 2010) and Breviário de Pornografia Esquizotrans (Ex Libris, 2010) and coordinated two other books with the media, art and technology network Submidialogia (Ideias Perigozas, 2010, and Peixe Morto, 2011). 

Toni Areal, 3. Floor, Room 3.E08

Hosted by BA Media & Art
 ☞ save the date:
THURSDAY OCTOBER 6, 7pm – midnight
THE WHO OF THINGS. An Evening of Technoshamanism 
kadija

Futuros sequestrados x o Anti-sequestro dos sonhos, Rio De Janeiro, 2016  © Rafael Frazão

 
Zürcher Hochschule der Künste
Zurich University of the Arts
Melanie Matthieu
Teaching Assistant
Bachelor of Arts in Art & Media
Zurich University of the Arts, Toni-Areal, Pfingstweidstrasse 96, P.O. Box, CH-8031 Zurich

THE WHO OF THINGS** An Evening of Technoshamanism*

estamira
Estamira, Marcos Prado, 2004 (video still)
THURSDAY 6 OCTOBER 2016
7PM – MIDNIGHT
 
with a.o. Lucile Dupraz, Nicola Genovese, Piero Good, Fred Hystère, Samuel Koch, Chantal Küng, Melanie Matthieu, Katherine Patiño Miranda, Jonathan Daza Ospina, Romy Rüegger, Riikka Tauriainen, Lucie Tuma, Unisex Salon, Yael Wicki,…
☞ special guest: Fabiane M. Borges (artist, clinical psychologist, essayist and co-organizer of the II International Festival of Technoshamanism in Brazil)
PROGRAM
7PM OPENING
7.30PM INTRODUCTION by Fabiane M. Borges
8PM SCREENING ESTAMIRAMarcos Prado, 2004
10PM miscellaneous PRESENTATIONS
 
**************
A practice which aims ‘to connect new technologies with ancestral ones in order to repair the historical division between the two kinds of knowledge. Technoshamanism intends to create new inputs for unorthodox ways of thinking regarding the development of free technology. Please note, this is not an ‘official meeting’, rather a spontaneous collective browsing through the various appearances, applications, concepts, experiments, embodiments and tropes of technoshamanism.
**(…) Amerindian shamanism is guided by the inverse ideal: to know is to „personify“, to take the point of view of what should be known or, rather, the one whom should be known. The key is to know, in Guimarães Rosa’s phrase, „the who of things“, without which there would be no way to respond intelligently to the question of „why“. The form of the Other is the person. We could also say, to utilize a vocabulary currently in vogue, that shamanic personification or subjectivation reflects a propensity to universalize the „intentional attitude“ accorded so much value by certain modern philosophers of mind (or, more accurately, philosophers of modern mind). To be more precise, since the Indians are perfectly capable of adopting „physical“ and „functional“ attitudes sensu Dennett (1978) in everyday life, we will say that here we are faced with an an epistemological ideal that, far from seeking to reduce „ambient intentionality“ to its zero degree in order to attain an absolutely objective representation of the world, instead makes the opposite wager: true knowledge aims to reveal a maximum of intentionality through a systematic and deliberate abduction of agency. To what we said above about shamanism being a politcal art, we can now add that it is a political art. (…)
Eduardo Viveiros de Castro, Cannibal Metaphysics, p. 60-61
 
 
UP STATE, Flüelastrasse 54, 8047 Zurich
 
☞ save the date: 
THURSDAY 6 OCTOBER 2016
7PM – MIDNIGHT
 
TALK  
 
FABIANE M. BORGES ◆ 5 OCTOBER 2016 ◆ 6 PM
 
ANCESTERFUTURISM. Seminal Thoughts About Technoshamanism
Toni Areal, 3. Floor, Room 3.E08

Esquizotrans no Ocupa Minc -Canecão- Fora Temer – Rio de Janeiro – 25/08/2016

porno-clown-amor-com-a-cidade-2012

Dia 25 de agosto as 19:30 Esquizotrans apresenta uns metadados de textos, livros, vídeos, performances que influenciaram a produção do Breviário de Pornografia Esquizotrans – livro porno-esquizo-trans. Depois de 6 anos a cena no Brasil vem ganhando força, e surgem novas influências ligadas ao transfeminismo, pornoklastia, technoporn, pornoclown, ciborguezia, sem falar nas novas modalidades das amigas das Europa como neurosex, bodynoise, devenir bruja, trans_plant, transnoise, Akelarre Cyborg, etc.

A ideia é pensar nesses novos imaginários eróticos-sexuais e no que isso nos ajuda no cotidiano das nossas práticas e nossas modos de pensar/criar amor e desejo.

Materiais: Breviário de Pornografia Esquizotrans, Texto Junk, Teoria King Kong, Pos porn era esto, Pornoterrorismo, Pornotopia, Amor com a Cidade, Pornotopedia, etc. Um salve para Paul Beatriz Preciado, Virginia Despentes, Maria Llopes, Diana torres, Juliana Dorneles, Quimera Rosa, Post-Op, Sue Nhamandu, Rita Wu, Fabiana Faleiros (Lady Incentivo), Coiote, Teta Lírica, e todas outras.

O barato é louco, o processo é lento!!

Fabiane M. Borges é ativista/pesquisadora em arte, tecnologia e subjetividade. Faz parte do Esquizotrans – (https://esquizotrans.wordpress.com/ ) escreveu o livro Breviário de Pornografia Esquizotrans (com Hilan Bensusan – Ed. Ex.Libris – https://catahistorias.files.wordpress.com/2011/01/miolo-brevic3a1rio-prova-de-autor.pdf) e Domínios do Demasiado (Ed, Hucitec – https://catahistorias.files.wordpress.com/2011/01/dominios-do-demasiado_ultima-prova.pdf )- Uma das articuladoras da Rede tecnoxamanismo – Open Source Observatories e Take back the space – Site: https://catahistorias.wordpress.com – email: catadores@gmail.com

Estamos Fodidos -Festival de Cinema do Fim do Mundo

Programação Completa 2016

 Estamos Fudidos, organizado por Maira Begalli e Hernani Dimantas
Fabiane M. Borges e Leandro Cagiano debatem o filme Take Shelter (O Abrigo) 2011
Data: 01 de agosto de 2016
Local: Coletivo Digital – R. Cônego Eugênio Leite, 1117 – Pinheiros
Horario: 18hs
Debate com: Maira Begalli e Hernani Dimantas
Filme: The Survivalist, 2015
Sinopse: Em uma época pós-apocalíptica, a auto-preservação tornou-se necessária. A  única forma de obter comida é cultivar seus alimentos. Um sobrevivente  vive afastado em uma fazendo onde tem sua plantação. Sozinho há muito  tempo, seu isolamento acaba quando Kathryn (Olwen Fouere) e sua filha  adolescente, Milja (Mia Goth), chegam ao local famintas. Relutante, ele  acaba aceitando ajudá-las após elas oferecerem uma noite com Milja. O  trato torna-se permanente e, enquanto o sobrevivente se apaixona pela  garota, a verdadeira intenção de Kathryn é tomar o poder sobre a  fazenda. Até o momento em que eles são atacados por estrangeiros.
Data: 06 de agosto
Local: Vilynda – R. Simão Álvares, 784. Vila Madalena.
Horario:  18h
Debate com: Paula Kim e cineasta paulistana, graduada em Audiovisual pela USP, possui MFA em direção de filmes pela K-Arts. Dirigiu os curtas “Sexo Explícito 1&2”, “ChuMar” e “26, OmTchinA”. Criou o projeto “Sobre Nossa Visão Distorcida”, nascido do material de pesquisa para o projeto de longa “Diário de Viagem”, única obra brasileira até hoje a ter participado do Atelier do Festival de Cannes.
Filme: Melancholia
Sinopse: Um planeta chamado Melancolia está prestes a colidir com a Terra, o que  resultaria em sua destruição por completo. Neste contexto Justine  (Kirsten Dunst) está prestes a se casar com Michael (Alexander  Skarsgard). Ela recebe a ajuda de sua irmã,  Claire (Charlotte Gainsbourg), que juntamente com seu marido John  (Kiefer Sutherland) realiza uma festa suntuosa para a comemoração.
———
Data: 9 de agosto
Local: Vilynda – R. Simão Álvares, 784. Vila Madalena.
Horario: 18h30
Debate com: Leo Mello – docente da UFABC, pesquisa a interface população-ambiente, tendo como principais interesses de  pesquisa as questões relacionadas com o complexo  população-ambiente-consumo e as dimensões humanas das mudanças  ambientais globais, assim como com a participação pública nos processos  de tomada de decisão.
Filme: Expresso do Amanha, 2015.
Sinopse: Quando um experimento para impedir o aquecimento global falha, uma nova  era do gelo toma conta do planeta Terra. Os únicos sobreviventes estão a  bordo de uma imensa máquina chamada Snowpiercer. Lá, os mais pobres  vivem em condições terríveis, enquanto a  classe rica é repleta de pessoas que se comportam como reis. Até o dia  em que um dos miseráveis resolve mudar o status quo, descobrindo todos  os segredos deste intrincado maquinário.
———
Data: 13 de agosto
Local: Vilynda
Horario: 18h
Debate com debate: Marcus Teshainer – psicológo, membro do Laboratório de Teoria Social, Filosofia e Psicanálise da Universidade de São Paulo (LATESFIP/USP), e participante da Escola de Psicanálise do Forum do Campo Lacaniano de São Paulo.
Filme: Procura-se um amigo para o Fim do Mundo, 2011
Sinopse: Um meteoro está em rota de colisão com a Terra, e a última missão humana  enviada para desviá-lo falha em sua tentativa. Não há mais saída: em  três semanas, o mundo vai acabar. Algumas pessoas aproveitam os últimos  dias de vida para beberem e fazerem sexo sem compromisso; outras se  rebelam pelas ruas e começam a destruir os carros e os comércios.  Além delas, existe Dodge (Steve Carell), corretor solitário que acaba  de ser abandonado pela esposa, e Penny (Keira Knightley), sua vizinha  triste, que nunca teve um namoro satisfatório. Juntos, eles decidem  percorrer o país para reencontrarem suas famílias e seus amores de  juventude antes que seja tarde demais.
————-
Data: 16 de agosto
Local: Preto Cafe – Largo do Arouche 99, lj 18.
Horario: 17-19hs
Debate com: Leandro Cagiano – Artista visual e fotografo trabalha em projetos envolvendo conservação da natureza.Trabalhou em estúdios, agências de notícias e mercado corporativo. Atualmente desenvolve o Projeto Terra Consumida.
e
Fabiane Borges – artista, psicóloga e ensaísta. Fez doutorado na Puc/SP cuja tese dedicou a Cultura Espacial – Utopias humanas intra e extra-terrenas. É autora de dois livros: Domínios do Demasiado (Hucitec 2010) e Breviário de Pornografia Esquizotrans (Ex. Libris 2010).
Filme: O Abrigo, 2011.
Sinopse: O abrigo (The divide), Xavier Gens (2011 Após a um ataque de uma bomba  nuclear na cidade de NY, em algum ponto da cidade há noves sobreviventes  que conseguiram escapar da iminente explosão se protegendo em um porão  de um prédio onde todos eram moradores do local.  

——-

Data: 19 de agosto
Local: Coletivo Digital – R. Cônego Eugênio Leite, 1117 – Pinheiros
Horario: 19hs
Debate com: Mariana Perroni – Medica Clinica e intensivista e blogueira da Trip para Mulheres (TPM).
Filme: A Gripe, 2013
Sinopse: Bundang, no subúrbio de Seul, está passando por uma epidemia devastadora  . Byung-woo (Erik Scott Kimerer) morre em decorrência de um vírus  desconhecido. No início, o vírus não recebe importânica, e a população  não se previne. Em pouco tempo, centenas de  moradores da região são atingidos pelo vírus. O caos se instaura. O  governo do país pede isolamento da área. Enquanto isso, um especialista  procura o sangue que será capaz de desenvolver a vacina contra o vírus.
%d bloggers like this: