contracultura espacial no capacete

13/1
Fabiane M. Borges: Contra Cultura Espacial – Uma fala sobre astro-futurismo, retro-futurismo, arte em órbita, ocupação espacial na era do fim do mundo, movimento dos sem satélites, astronave do-it-yourself, imaginário sideral, cosmogonias ameríndias, viagem no tempo, projeções sobre extrasterrestres, sonhos e delírios espaciais. (E pra comer: PF da Kadija).

treinamento de retidão

Estou aqui com minha amiga/irmã Juliana Dorneles que montou uma escola de equitação na Guarda do Embaú em Florianópolis e está fazendo treinamento de Retidão. É um trabalho bem específico de relação humanx-cavalx. Como Juliana é psicóloga clínica, e foi minha colega no doutorado no núcleo de subjetividade da puc/sp, ela junta elementos clínicos nos treinamentos, fortalecimento corporal e mental, auto confiança, auto-cura, etc. Claro que não faltaria o elemento clown, já que Juliana trabalhou anos como palhaça.

Estou muito feliz de estar passando por esse treinamento com ela.

aqui a página no facebook: https://www.facebook.com/cavalarice/

 

Corra Lola, Morra!

Corra Lola, Morra

por Fabiane M. Borges

Para ler completo aqui: Corra lola – morra

Corra Lola, morra, se bata no navio negreiro, leve a culpa da colonização nas costas. Segue tua escrita sem raiz. Levarás a culpa dos banidos, e dos autoritários agrupados em torno do gene que só fazem hierarquia no gene dos outros. APLAUSOS. Tudo raça, mas de outra etnia. No final existe o não falado, o absorto olhar perdido de quem esconde o fato. É uma correria. E nisso o que não importa, – não importa! E se se parece com o que importa, MATA!!

Elas se juntaram em bando e resolveram ser justiceiras. Exercer um pequeno fascínio ativista, delinquente. Treinamento. Só que estrábicas, despossuídas, pegam de bandida a desavisada, que está caminhando na praça e não tem motivo para assassinar, não naquela hora. Naquela hora está montando os corpos com órgãos aleatórios. Suas frankeistens. Os seios de uma, a língua da outra, o sonho do besouro escondido de traz das costas daquele totem, que parecia herói e ao mesmo tempo, inapto.

É que são inaptos os sonhadores. Eles medem consequências mas contabilizam tudo errado. Uma contabilidade tardia. Sem contenção. Ou tão convulsionada que se fragmenta.