middle east – trocando ideias no facebook com os amigos

achei a conversa bonitinha, por isso coloquei aqui:

Fabi Borges aqui em beirute é muito diferente do Cairo, é completamente capitalista, uma cidade de outdoors, hotéis, cheiro de dinheiro. tem um caos implícito, que se nota no transito, nas conversas, um trauma de guerra que volta na hora do chá. o capitalismo e a liberdade, consumo x diferença cultural. filipinas importando empregadas, siria importando prostitutas, imigração como sintoma de uma sociedade desenvolvida?

Paulo César Teixeira Fala mais sobre isso…

Marta Avancini sim, fala mais!

Elaine Bortolanza fabiiiiiiiii, vc está em beirute?! fala, fala…

Fabi Borges sim, depois da guerra de 2006 com Israel, a economia de Beirut que já era forte, deu um salto enorme, virou uma cidade referencia pra todo tipo de mercado, industria, comercio internacional, acidade parece um grande outdoor, publicidade, ba…ncos, lojas internacionais por todos lados, super caro tudo e cheia de turistas do oriente e ocidente, dividida entre os cristãos (que apoiam israel em alguma medida) e os mulçumanos, todo conflito advem disso, e claro, também por território. Muitos imigrantes de paises pobres como siria ou filipinas, nas ruas… imagino o que está acontecendo no Iraque, deve estar a mesma coisa, ultra desenvolvimento com investimento das industrias a todo vapor,

Marta Avancini deve ser muito, muito interessante
é interesante acompanhar esses descolocamentos que ocorrem no mundo. hoje, os centros tendem a ir para o oriente. tem dubai e um monte de lugares na ásia, oriete médio que estão bombando.
enjoy fabi!
Fabi Borges eu me sinto muito ingenua politicamente, uma alice… porque se por um lado tem essa expansao capitalista, cultura de guerra e desenvolvimento, por outro temos essas culturas mais tradicionais super machistas que são largados num grau de precariedade extremo… de certa forma o capitalismo oferece certa liberdade de consumo, individualmente, ao mesmo tempo que importa sua ideologia de estado forte e de winners… enfim… eu queria tanto ir a dubai, arabia saudita e ao iraque agora, mas sabe como é… $$$
22 de dezembro às 12:15
Fabi Borges to indo pra siria daqui uma hora… vai ser um choque térmico talvez desértico, sem o mediterraneo pra azular tudo

22 de dezembro às 12:17 ·
Marta Avancini menina, eu quase fui pra siria em 97, quando estava em paris. na hora h amarelei…
Fabi Borges porque vc amarelou? o que tava rolando lá em 97?
22 de dezembro às 12:19 ·
Marta Avancini fiquei com medo de ir sozinha. achei que era demais pra mim…
bobagem pura!

22 de dezembro às 12:20 ·
Fabi Borges talvez não fosse… vou sentir agora o clima e digo aqui, mas acho que 13 anos atraz poderia estar bem mais fechado, e pras mulheres, sempre um problema sozinhas, no? o bom da internet é que vc vai largando as redes antes de chegar nos lugares, quando chega já está em área de proteção… beijo beijo, fui
Paulo César Teixeira Quando chegar lá nos conta mais, tá? É bom olhar o mundo com tuas lentes… bj
Fabi Borges olá, então, na syria é proibido o facebook, o youtube, o blogspot, não encontrei nenhum grupo de software livre, o regime é de ditadura, geração do medo, como disse uma queer que encontrei lá, que é ĺésbica, mas que sofre todo o problema de… viver sua sexualidade num regime que considera isso crime, tem as fugas, os banhos públicos Hamam são espaços de flerte entre mulheres … não se pode ir a um hotel (casal hetero) sem ser casados, mas entre mesmo sexo pode, daí as fugas pro homossexualismo,,, o pais está abrindo aos poucos pro capitalismo, não como em beirute, muito mais devagar, a sociedade é acolhedora com as visitas, desde que não ultrapasse os limites do turismo, a religiosidade é super forte, mas tem muitos católicos, o que dá um certo ar de diversidade. as pessoas não falam em política, o nome do presidente não é falado, sua foto está em todos os lugares, bares, rua, empresas, lojas, postes, não se pode criar coletivos de arte. o espaço público não pode ser utilizado (como são paulo?) dificil, muito difici, bandeira de israel no chão de alguns bares, pras pessoas limparem os pés, etc
Fabi Borges Na syria tem hoje um milhão de refugiados iraquianos, e cerca de 700 mil palestinos, entre pobres e ricos. Os pobres estao em situaçao de miséria, em locais periféricos, pedindo esmola nas ruas, os ricos compraram grandes pedaços de terra, …de predios inteiros em damasco, vilas, o que deu um bum na economia imobiliária,,, a situação dos refugiados pobres está em pauta ainda, alguns estão voltando pro iraque, outros não querem saber, e se espalham por syria, libano e egito – as fronteiras com israel são fechadas, não há trens, aviões ou onibus, a estrada é fechada. a pauta ainda é a guerra. em damasco se fala muito na paranóia da guerra, a qualquer momento pode acontecer de novo. geração do silencio
Pedro Soler gracias, fabi, para los informes de viaje ! pensando en ti xxx
Jean Habib ei fabib valeu ai pelo relato de terras habibianas, o mais elucidador de todos que ja havia lido sobre esses lados…
Fabi Borges habib quer dizer querido, eu não sabia, mas muito, inevitável não pensar em vc, bjs
segunda às 18:35 ·
Flavia Sammarone muito bom mesmo ler seus relatos…:)
Cristina Ribas fabib ficou ótimo!
fabib! conseguiste entrar na siria?
tenho uma amiga que tem um namorado sirio. resolveu dizer que era jornalista e os caras nunca liberam pra ela entrar no pais!
segunda às 22:58 ·
Cristina Ribas olha que coisa. minha amiga acabou de ver e escreveu. que o namorado dela é da algéria. e que ela vai lá visitar ele. oba!
segunda às 23:15 ·
Elenara Vitoria Cariboni Iabel habib é querído… inae e ariel chama ele de esfiha, ou será esfirra, hehehe
segunda às 23:34 ·
Fabi Borges a fronteira é tranquila, vc assina como turista, paga uma taxa de cerca de 30 dolares pra entrar e uns 20 dolares pa sair… não fazem tantas perguntas como em london (pra jornalista sim, rssss), aqui um link do espaço que fui conhecer, htt…p://www.artvehicle.com/interview/12 – Abir é a dona do espaço e dedica sua vida para residencias, arte e tem um laboratorio de midia, está interessada em software livre, aberta pra discussões e pedidos de residencia, reclama que ninguém lá casa com um mulçumana maluca e artista como ela… to fazendo um blog pra discutir as coisas mais devagar, daí coloco uma filmografia massa …. já antecipo um filme de Amos Gitai chamado KEDMA, que conta um pouco do inicio da ocupação dos judeus nos territorios palestinos, é muito bom pra ter idéia dos discursos em pauta – a sede de sangue pós holocaustos ou catástrofes dos judeus recaindo sobre os palestinos.
Fabi Borges vale comentar que o povo syrio é feito também de muitos refugiados russos, que foram pra território palestino e sofreram a ocupação de israel e tiveram que ir pra damasco,,,, a discussão é se syria incorporará os refugiados palestinos do mesmo modo, o governo alega que o pais não tem mais infraestrutura.eu me emocionei com os trabalhos no espaço de abir, que é sobre memória, salas escuras com facas, fechaduras, sapatos velhos tentando fugas, mandalas de pedras e balas,,,
terça às 12:00 ·
Elenara Vitoria Cariboni Iabel:  ei Fabi, porque Abir quer casar? o casamento torna a vida vazia, rotineira, as vezes mediocre e hipócrita… o bom da vida é ter alguém que faça bem, prá se divertir, prá conversar, prá namorar… é vínculo estabelecido entre duas pessoas, …mediante o reconhecimento governamental, religioso ou social e que pressupõe uma relação interpessoal de intimidade, cuja representação arquetípica são as relações sexuais, embora se resuma a um contrato, que pra desfazer é maior sufoco, hehehehe. Como dizia minha avó: casados são aqueles que bem vivem!
Fabi Borges parece que vc fica meio refem da familia, não tem a escolha de ser independente, viver sosinha com muitos amantes, principalmente pros mulçumanos, fica meio confinada aos cuidados do irmão mais velho, dos pais velhos, tem hora pra chegar em… casa, etc,,, de alguma maneira o casamento representa certa liberdade,,, mas claro, acho que no caso de Abir, ela está feliz com as residencias, e pessoas que como eu, vão lá pra fazer entrevistas, conhecer o espaço, propor projetos alem mar… imaginei o descentro de alguma fora produzindo alguma coisa por aquelas bandas…. no lo se…Ver mais
terça às 12:06 ·
Elenara Vitoria Cariboni Iabel Nous sommes touts des palestiniens(somos todos palestinos) http://bit.ly/ecfyTO
tempos atrás fui ao marrocos…. uma legião de homens noveleiros, pois mulher não pode entrar em bares e os bares tem TV que transmitem novelas… elas não podems sair as ruas sem os lenços, véus, burcas e devem estar acompanhadas, mesmo qu…e uns passos a frnete, do paii, ou irmão mais velho, ou marido… o mundo ocidental se choca,, mas para muitas é natural e curtem… tbém conheci uma afegã, num encontro feminista no RJ, ela andava de burca preta, daquelas de telinha no olhos, me contou que os talibans revistavam mulheres na rua para ver se estavam com a boca e unhas pintadas, caso positivo eram presas… perguntei porque ela não aproveitava e tirava a burca durante o dia, já que a tirava somente para dormir, ela me respondeu que gostava e que achava um horro as brasileiras só de calcinha e sutian(biquinis) na piscina…. choques culturais.Ver mais
terça às 12:21
Fabi Borges a coisa do veu é foda mesmo, comprei umas burcas, só os olhinhos de fora, mesmo assim, tem uma história que os homens mandam no espaço público mas o privado é das mulheres, elas ficam com todo dinheiro deles e mandam na casa, organizam as festas,,,, infelizmente não fui convidada pra um desses jantares, a amiga da servia foi, disse que é delicado, longas conversas, chás e coisinhas gostosas pra comer, musica, mulheres bonitas e enfeitadas, diferente do sistema de opressão tão espalhado pelos inimigos dos povos árabes… enfim…
Ontem às 13:25 ·
Elenara Vitoria Cariboni Iabel Sim, é bem definido e determinado e separado o espaço público do privado, não como nossa engronha que mistura o publico com privado… as mulheres mandam no espaço privado, e o espaço publico é somente para homens, coisa que no mundo ocidental é tratado com muita hipocrisia… minha avó sempre disse que as mulheres tem o poder nas mãos, basta trocar o sal pelo veneno, hehehehe
Ontem às 13:47 ·
Cristina Ribas fabi vamos usar as burcas em londondon
o cuquinha sempre quis,
pra ver que pasa ao redor
se ver invisivel visivel vai saber,…
Ontem às 15:58 ·
Naco Guimarães uau! queria ver isso…

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s